Sistema Maxi de Ensino Edição nº 41 Novembro de 2007
Capa Índice Sugestões Edições Anteriores Grupo Maxi
Capa Londrina
Maxi Cuiabá
Comportamento
Fala Jovem
Leitura
Festival Cultural
Comunidade Japonesa
Ensino Médio
Inovação
Hora do Intervalo - Londrina
Hora do Intervalo - Cuiabá
Maxi Cultura
Maxi Cidadão
Sistema
Aconteceu no Maxi - Londrina
Aconteceu no Maxi - Cuiabá
Opinião
Índice
Capa Pequena
Comportamento  
 
Relacionamento
Hoje, os avós cooperam com a educação dos netos, impondo limites e vivendo as mesmas dificuldades e conflitos dos pais. Segundo dados do IBGE, 3,5 milhões de crianças são criados pelos avós.

 

Eles são carinhosos, amigos, presentes e estão cheios de vigor para educar e proporcionar aos netos momentos de muito amor. Ser avô e avó não significa mais descansar numa cadeira de balanço ou preparar os doces mais gostosos da face da terra: aqueles que a mamãe nunca tem tempo de fazer. Esses ainda existem, mas é uma minoria. Hoje, os avós, profissionalmente ativos, acompanham com muita disposição os filhos e os netos.
O relacionamento entre avós e netos muda a cada ano. O que antes era uma visita de final de semana, para curtir só as coisas boas da vida, agora, em muitos casos, é uma relação cotidiana, repleta de responsabilidades e até de conflitos. Já não sobra apenas a parte boa. Para muitos, auxiliar na educação dos netos é uma necessidade diante da realidade de vida dos filhos: falta de tempo ou de estabilidade financeira.
A psicóloga Lídia Aratangy, em entrevista à Revista Época, por ocasião do lançamento do Livro dos Avós – Na casa dos avós é sempre domingo?, afirma que a imagem dos idosos ociosos com óculos na ponta do nariz já não retrata os avós por inteiro: "Não há mais avós típicos. São muitos e variados os comportamentos deles nos tempos modernos. No caso da avó, a grande novidade é não ter o peso do modelo exigente de dar certo como mãe. É um vínculo menos carregado diante do olhar do outro. Assim fica mais fácil educar. Além disso, se os avós educaram bem os filhos, o nível de autoconfiança é maior, afinal a pessoa confia na mãe ou no pai que foi".
A autora afirma que os avós também conquistaram um espaço que é deles por direito. Para ela, é abusivo achar que eles não podem dar palpite na educação dos netos, quando, de fato, são eles que ficam com a criança quando os pais precisam. Outro fator relevante é o papel emocional que exercem, mesmo que sejam avós de férias ou de final de semana: "As escolas têm se mostrado interessadas em chamar os avós para resgatar a origem das crianças. Fazê-las olhar para suas raízes. São histórias de coragem e vivência que dão base para as crianças se sentirem mais fortes diante da vida. A presença dos avós é fundamental para o desenvolvimento delas".


 

O Dia dos Avós no Maxi

O Colégio Maxi promoveu mais um Dia dos Avós, com o objetivo de trazer a família para o universo escolar. Os pais e os avós são os maiores vínculos afetivos da criança, motivo pelo qual a equipe de educadores do Colégio proporciona homenagens e momentos especiais como o Dia dos Pais, o Dia das Mães e o Dia dos Avós.
De acordo com a Coordenadora da Educação Infantil e do Ensino Fundamental I, Rejane Christine de Barros Palma, mais de 300 pessoas aceitaram o convite e compareceram ao Dia dos Avós: "As crianças recepcionaram seus avós com muita alegria. Durante toda a semana prepararam lembrancinhas, cartões e um painel de recadinhos para os avós. Houve criança que trouxe os avós maternos e paternos. Houve convidados de várias cidades da região e de outros estados. Uma avó, da cidade de Araçatuba, não pôde vir, mas mandou uma cartinha justificando-se. Tudo isso é muito especial e significativo para a vida da criança e para nós, educadores".

 

A abertura do dia foi realizada no Cine Maxi, com o teatro encenado pelas professoras e a apresentação de cada turma. Na seqüência, os avós foram para a sala de aula dos netos, onde partilharam histórias e fizeram um lanchinho, provando o mesmo cardápio que as crianças têm no dia-a-dia: "Vi o esforço de muitos avós e a alegria de todos em participar. Isso é gratificante e emocionante para a escola e para as crianças", conclui Rejane.
Para a Coordenadora, é por meio dos avós que a criança entra em contato com sua história e seu passado: "A presença dos avós tem início antes do nascimento. Começa na preparação do enxoval, passa pela angústia da futura mamãe, que busca ajuda com quem já teve essa experiência, e continua no cotidiano. É com os avós que a criança constrói seu retrato de família. Conviver com pessoas que já vivenciaram e trilharam os caminhos que a criança está iniciando traz a sabedoria necessária para que ela cresça feliz. Hoje, mais do que ontem, os avós desenvolvem um papel social e afetivo na educação dos netos. Não é apenas dar carinho e permitir tudo. É ajudar na construção de uma pessoa", explica Rejane.

Impondo Limites

Atualmente, o papel dos avós é delineado por novos aspectos. Isso acontece por motivos diversos, como as transformações familiares na separação dos pais ou a vida de trabalho agitada.
Nessas e em outras tantas situações, os avós tomam a frente dos cuidados com os netos, assumindo uma responsabilidade maior do que tinham os avós de tempos passados. Antes, a figura dos avós era de velhinhos que mimavam e participavam de momentos de diversão. Hoje, esses "velhinhos" representam muito mais para os netos dentro da estrutura familiar – o de ser reforço na educação dos filhos de seus filhos e de ditar regras e impor limites.

  • Continuar

Manutenção e Atualização Agência Digital ICOMP®